Afinal trabalhos envolvendo eletricidade oferecem riscos sérios à saúde do trabalhador. Por este motivo é importante seguir a risca todas as normas para segurança elétrica observadas pelo Ministério do Trabalho e investir em equipamentos de proteção individual de qualidade (calçado eletricista). A NR10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade – é a norma que regulamenta os trabalhos nesse segmento.A saúde do colaborador deve ser prioridade em todo local de trabalho, principalmente aqueles com risco eminente como é o caso das atividades eletricistas.

A saber as NRs constituem uma série de Normas de Segurança instituídas pelo Governo Federal por meio do Ministério do Trabalho. Essas normas orientam os procedimentos, relacionados à segurança do trabalho, que devem ser adotados por empregados e empregadores durante a execução de atividades de risco. Assim, as medidas apontadas pelas Normas Regulamentadoras vão desde a tomada de medidas de proteção coletivas, passando pelos equipamentos de proteção individual, até as determinações relacionadas à padronização de infraestrutura, jornada de trabalho e afins.

Normas de Segurança – Governo Federal

As NRs são numeradas de 01 a 37 e englobam uma série de atividades trabalhistas, além disso, orientações referentes a inspeções, embargos e uma norma dedicada especialmente aos equipamentos de proteção individual. A Norma Regulamentadora 10 para segurança elétrica “estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade”.

Assim sendo, todos os locais que receberam intervenções ou instalações elétricas devem adotar medidas preventivas de controle de risco para garantir sua segurança elétrica.  Essas medidas preventivas devem ser utilizadas em conjunto com as demais iniciativas locais no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente do trabalho.

Segurança elétrica: normas para calçados de proteção eletricista

Com a finalidade de garantir a segurança elétrica do trabalhador, os Equipamentos de proteção individual são indispensáveis. Toda atividade eletricista deve ser realizada utilizando equipamentos adequados e em dia com as normas de segurança eletricista. Inegavelmente os EPIs indicados para atividades do tipo são: capacete de segurança; calçado de segurança; luva isolante de borracha sobreposta por luva de couro; manga isolante de borracha (protege os braços); cinto de segurança (trabalho em altura); protetor facial contra arco elétrico e vestimentas especiais.

Os calçados para segurança elétrica tiveram suas normas de teste alteradas e estão ainda mais seguros. É importante saber que para conseguir o Certificado de Aprovação, sem dúvida, o calçado eletricista precisa passar por um teste formulado pela ABNT. A norma de segurança ABNT NBR 16.603:2017 é uma norma eletricista que visa garantir a segurança elétrica total dos calçados de proteção. Essa norma sofreu alterações a fim de garantir que o calçado é 100% seguro e não possui absolutamente nenhum resquício de metal em sua composição.

Calçado Eletricista com Certificado de Aprovação do Ministérios do Trabalho

Por certo, absolutamente todos os calçados Marluvas são testados em conformidade com a ABNT NBR 16.603:2017, possuem Certificado de Aprovação do Ministério do Trabalho e oferecem total segurança elétrica ao colaborador. Os calçados são item importante para segurança elétrica já que, quando fabricado em conformidade com as normas, se tornam um importante item isolante. Entenda o passo a passo dos testes impostos pela norma eletricista.

  • Resistência Elétrica: a ABNT NBR 16.603:2017 determina que a resistência elétrica dos calçados eletricistas deve ser maior que 1000 MΩ.
  • Isolamento elétrico: o calçado, para apresentar segurança elétrica, deve suportar 14.000 V (rms) em 60Hz durante 1 minuto. O valor da corrente de fuga não deve ser maior que 0,5mA. Sem dúvida, é importante frisar que o valor de tensão de ensaio de 14.000 V não implica que o calçado deva ser utilizado nessa tensão. A tensão de uso especificada para o calçado na norma é 500V.
  • Resistência Elétrica e umidade: o calçado deve passar por testes em ambiente com umidade relativa de 85+-5% e temperatura de 23+-2ºC durante sete dias.
Mais passos sobre os testes da norma eletricista
  • Costuras: não são permitidas costuras do dorso até o ressalto do cabedal. Dessa forma fica determinado que a região do “peito do pé” precisa ser uma peça única, sem costuras.
  • Componentes de Metal: para que a segurança elétrica seja 100%: não é permitido nenhum tipo de componente metálico no calçado. O calçado de segurança eletricista não deve conter ilhós, fivelas, zíperes, e nenhum outro acessório ou acabamento em metal condutivo.
  • Calçado Impermeável: o calçado de segurança elétrica deve ser obrigatoriamente impermeável. Isso é necessário pois o material hidrofugado tende a reter menos umidade, se tornando mais seguro em ambientes com risco de descargas elétricas.
  • Símbolos e marcações: é necessário ainda que os calçados tenham as simbologias SI (Segurança Isolante Elétrico), PI (Proteção Isolante Elétrico) e OI (Ocupacional Isolante Elétrico).

Segurança elétrica: riscos dos trabalhos envolvendo eletricidade

Certamente, o choque é o acidente mais comum quando falamos em contato com a eletricidade. Talvez todos nós já tenhamos vivido essa experiência desagradável dentro da nossa própria casa. Ligar ou desligar aparelhos domésticas das tomadas sem atenção pode causar pequenos choques. Incômodos mas não muito graves. Isso ocorre porque o corpo humano constitui um potente condutor de eletricidade e, quando entra em contato com a corrente elétrica, é capaz de transportar essa energia a outro elemento condutor mais próximo. Nesse momento temos a sensação chamada de choque elétrico.

Os principais sintomas de um choque são a sensação de calor e as contrações musculares. Nesse sentido as consequências podem variar desde pequenas queimaduras leves, até paradas cardíacas capazes de levar a óbito. Tudo depende da intensidade da corrente elétrica e do tempo de exposição. Assim como o choque outros acidentes envolvendo alta tensão podem ocorrer em consequência da falta de segurança elétrica. O arco elétrico é um tipo de acidente com proporções muito maiores que as de um choque elétrico.

Arco Elétrico – Calçado eletricista

Inegavelmente o arco elétrico consiste na transmissão da corrente elétrica por meio de um princípio que deveria ser isolante. O ar é um exemplo. O arco elétrico ocorre pela conexão ou desconexão de dispositivos elétricos ou quando há curto circuito. Mesmo que não haja contato direto do ser humano com o arco elétrico ele pode ser bem nocivo devido ao alto calor provocado. As temperaturas são muito altas para a pele humana e causam queimaduras de segundo e terceiro graus. O arco elétrico também pode causar incêndios.

As queimaduras elétricas podem ser mais graves do que as causadas por fogo e isso ocorre por conta do chamado “fator iceberg”. Esse fenômeno acontece quando a lesão externa não representa a gravidade da lesão interna. O caminho percorrido pela corrente elétrica também é determinante para a gravidade da lesão. É por isso que a segurança elétrica e o uso de EPIs nunca deve ser negligenciado. Trabalhos envolvendo eletricidade apresentam riscos sérios.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#botas de proteção #calçados eletricista #galocha #epi bota