Decerto, a importância do uso do equipamento de proteção individual nunca foi tão falada como nos tempos atuais (EPI em tempos de pandemia). Com o estouro da pandemia do novo Coronavíus o uso de EPI’s para proteção da face está sendo adotado por toda a população e não somente pelos trabalhadores da saúde. Com toda a certeza, as máscaras para proteção facial, descartável ou reutilizável, agora fazem parte da rotina de milhões de pessoas ao redor do mundo.

Apesar de algumas ressalvas por parte da Organização Mundial da Saúde o uso das máscaras passou a fazer parte da rotina de pessoas que, mesmo sem sintomas do Covid-19, precisam sair às ruas para trabalhar, fazer compras, pagar contas, ou realizar algum outro tipo de atividade essencial. O uso desse equipamento de proteção individual reduz a propagação de gotículas de saliva que podem carregar o vírus. Dessa forma se você está contaminado, mas é assintomático, você reduz as chances de contaminar as pessoas ao seu redor.

Vale ressaltar que a maior forma de evitar a propagação do vírus continua sendo o isolamento social. Dessa forma muitas empresas adotaram o esquema de serviço home office voluntário e outras estão fechadas por decretos dos governos locais. Em diversos lugares do Brasil apenas serviços considerados essenciais podem funcionar. Quem está diagnosticado com a Covid-19, ou está com sintomas de tosse e febre, deve se isolar e não ter contato próximo com outras pessoas. Saiba mais sobre a doença clicando aqui.

Importância do uso do equipamento de proteção individual

O uso do equipamento de proteção individual é fundamental para garantir a saúde e a proteção do trabalhador. Afinal a correta utilização é capaz de anular a ocorrência de uma série de acidentes de trabalho, além de evitar consequências mais graves caso haja algum tipo de eventualidade. O EPI também é uma forma de garantir que o trabalhador não será exposto a uma série de doenças ocupacionais.

As doenças ocupacionais, de um modo geral, são consequência dos esforços/movimentos realizados de forma contínua e repetitiva. Essas podem comprometer a capacidade de trabalho e até mesmo a vida pessoal do trabalhador. De acordo com a Norma Regulamentadora 6 – NR6, responsável por regulamentar a aquisição, distribuição, uso e manutenção dos EPI’s, todos os equipamentos de proteção fornecidos pelo empregador devem ser escolhidos de maneira correta, além de estar em perfeito estado.

Cabe ao colaborador zelar pela manutenção dos mesmos, utilizando-os de forma correta e somente dentro do período de expediente. Portanto é obrigação do empregador fornecer o equipamento de proteção individual, orientar sobre o uso e zelar, junto ao trabalhador, pela conservação deste. A Norma Regulamentadora 32 – NR32 regulamenta as diretrizes de saúde e segurança do trabalho em serviços de saúde.

Norma Regulamentadora 32

Antes de mais nada a NR32 trata de situações em que os agentes de saúde são expostos a riscos biológicos, químicos e físicos. A norma ainda prevê que todos os profissionais de saúde expostos a agentes biológicos devem usar equipamentos de proteção individual adequados e criteriosamente escolhidos para a situação. Os EPI’s utilizados por médicos, enfermeiros e demais agentes de saúde, com o intuito de evitar contaminações, proporcionam uma maior qualidade no atendimento de pacientes.

  • Luvas: fornecem proteção contra ameaças biológicas e químicas. Quanto maior o perigo de contágio, mais resistente precisa ser o acessório;
  • Gorro: fornece proteção contra partículas e contra a queda de cabelos em materiais de trabalho;
  • Capote: fornece proteção no centro de cirurgia e é uma outra barreira contra substâncias. Deve ser descartado;
  • Sapato de segurança: calçado fechado, conforme determina a regulamentação;
  • Máscara: ao lado da luva, forma o conjunto básico de Equipamentos de Proteção Individual para enfermeiros, prevenindo acidentes biológicos e contaminação respiratória;
  • Óculos: fornece proteção para os olhos contra componentes radioativos e químicos.

Equipamento de proteção individual e o combate ao Coronavírus (EPI em tempos de pandemia)

O uso do equipamento de proteção individual é primordial para que os profissionais da saúde estejam seguros durante o trabalho de combate à pandemia do novo Coronavírus. Os EPI’s devem ser utilizados corretamente, em conjunto com as boas práticas de higiene pessoal e limpeza do ambiente. O sistema de saúde brasileiro já sentiu os impactos da chegada da pandemia ao país. Entre os problemas enfrentados está a falta de equipamento de proteção individual adequado para os profissionais da área.

Pensando em contribuir de alguma forma na luta contra o Coronavírus e minimizar o impacto causado pela falta de equipamentos de proteção, a Marluvas realizou uma doação de dois mil pares de calçados EPI para hospitais de cidades mineiras e também para outros estados. Esses calçados serão utilizados por médicos, enfermeiros e profissionais técnicos. A máscara é o equipamento de proteção individual mais citado, mas está longe de ser o único utilizado quem trabalha na área da saúde. Aventais, jalecos, calçados e luvas também são extremamente importantes.

A ANVISA e a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade emitiram orientações e recomendações específicas relacionadas aos procedimentos, medidas de prevenção, uso de equipamentos e materiais, manipulação com os pacientes e descarte do lixo durante a pandemia. Abaixo estão listados cada um dos equipamentos básicos, separados pela orientação de uso.

Para profissionais de saúde no cuidado direto com o paciente

  • Máscara Cirúrgica
  • Capote
  • Luvas
  • Proteção ocular (óculos ou máscara facial)

Para profissionais de saúde nos procedimentos que geram aerossóis em pacientes com COVID-19

  • Máscara N95 ou FFP2
  • Capote
  • Luvas
  • Proteção ocular
  • Avental

Para profissionais da higiene e limpeza dos hospitais no quarto do paciente com COVID-19 – EPI em tempos de pandemia

  • Máscara cirúrgica
  • Capote ou avental
  • Luvas de trabalho pesado
  • Proteção ocular (se houver risco de respingo de materiais orgânicos ou químicos)
  • Botas ou sapatos de trabalho fechados

Outras recomendações para uso de equipamento de proteção individual na área da saúde

Os Equipamentos de Proteção Individual utilizados em ambiente hospitalar, descartáveis ou não, deverão estar à disposição, em número suficiente, nos postos de trabalho, de forma que seja garantido o imediato fornecimento ou reposição. Os EPI’s devem ser avaliados diariamente quanto ao estado de conservação e segurança, estar armazenados em locais de fácil acesso e em quantidade suficiente para imediata substituição segundo as exigências do procedimento ou em caso de contaminação ou dano.

Com relação aos quimioterápicos antineoplásicos é vedado: iniciar qualquer atividade na falta de EPI. O trabalhador que realiza atividades em áreas onde existam fontes de radiações ionizantes deve usar os EPI adequados para a minimização dos riscos. Na radiologia intra-oral: caso seja necessária a presença de trabalhador para assistir ao paciente, esse deve utilizar os EPIs. É proibido movimentação de cilindros de gases sem EPIs adequados.

#Indicca – Geração de Conteúdo