Certamente, proteção para os pés – isso a Marluvas conhece bem. Desenvolvendo os mais variados tipos de calçados para garantir o máximo de conforto e segurança, a Marluvas conta com tecnologias de ponta para fornecer o melhor para os seus pés. Mas você sabia que a empresa também tem como um de seus princípios a proteção ambiental? Conheça o projeto Educam (Educação Ambiental Marluvas), criado para ajudar na preservação de um de nossos bens mais importantes: a natureza.

O projeto Educam foi lançado em 2005, em Dores de Campos, Minas Gerais, onde está localizada a sede matriz da Marluvas. Com a expansão da empresa, o projeto foi estendido à cidade de Capitão Enéas, onde foi inaugurada, em 2011, outra unidade. Mas, afinal, como o projeto atua?

Projeto Educam

Decerto, o Educam tem como objetivo conscientizar alunos de escolas públicas e particulares sobre a importância de ações de proteção ambiental. Fomentando atitudes voltadas à preservação e ao cuidado com a natureza. Dentre palestras, mostras e diversas outras iniciativas ligadas à responsabilidade socioambiental, a Marluvas busca incentivar a adoção de práticas, por parte dos alunos e das famílias, que possam contribuir para a conservação dos biomas brasileiros.

Programa de reciclagem

Contudo, o projeto Educam, não é a única ação da Marluvas em prol da proteção ambiental. A empresa também possui um programa de reciclagem, através do qual são separados os resíduos da produção, permitindo que sejam reaproveitados e descartados de forma correta. Tudo isso é feito em parceria com empresas licenciadas, que garantem a eficácia e segurança do processo. Antes do projeto, todos os resíduos eram destinados a aterros industriais. Hoje, 15% desses resíduos já passam pelo processo de reciclagem. Os resíduos de PU (poliuretano) são reutilizados na confecção de calçados tradicionais, e a espuma na confecção de pelúcias e almofadas.

Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs)

Além disso, todas as unidades Marluvas contam com Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs). Através das ETEs, os resíduos de sanitários e lavatórios são tratados, sob supervisão diária e análise físico-química constante. Esse processo de acompanhamento atesta a eficiência do tratamento de esgoto, garantindo que os procedimentos ocorram de acordo com o encadeamento correto.

Portanto, agora que você já sabe mais sobre o projeto Educam e as ações de responsabilidade socioambiental da Marluvas, que tal se aprofundar um pouco no assunto e conhecer as Unidades de Conservação Ambiental (UCs)?

Unidades de conservação

Outrossim, existem vários tipos de unidades de preservação ambiental. Mas todas possuem o seguinte ponto em comum: são áreas naturais protegidas por lei. Estão sob gerenciamento, geralmente, do poder público (municipal, estadual ou federal), voltadas à proteção e recuperação da fauna e da flora.

Parques estaduais e nacionais

Dentre as diversas UCs estão parques estaduais e nacionais, reservas biológicas, florestas e patrimônios naturais. Algumas são dedicadas exclusivamente à preservação e pesquisa, enquanto outras podem ser abertas à visitação e lazer. Independentemente do tipo de unidade de conservação, são permitidas apenas atividades compatíveis com os princípios de proteção e preservação ambiental. Dessa forma evita qualquer tipo de dano ao ecossistema da área. São dois grupos que englobam as unidades de conservação:

Unidades de Proteção Integral

Mas, o principal foco desse tipo de UC é a proteção ambiental, por isso as atividades que podem ser desempenhadas na área são mais restritivas. É proibido o consumo, coleta ou dano aos recursos naturais. São permitidas apenas atividades que envolvam o uso indireto desses recursos, como pesquisas científicas, turismo ecológico e ações educativas.

Unidades de Uso Sustentável

Todavia, nessas áreas, o objetivo é aliar a conservação da natureza à utilização sustentável de recursos. Dessa forma, o consumo e coleta de recursos naturais são permitidos. Mas desde que não prejudiquem a perenidade do ecossistema e a manutenção dos processos ecológicos da área.

Unidades de Proteção Integral ou Uso Sustentável

A saber, todas as UCs, sejam elas Unidades de Proteção Integral ou de Uso Sustentável, devem possuir um plano de manejo. Aliás, esse documento contém dados, pesquisas e estudos sobre o meio físico, biológico e social da área. É a partir do plano de manejo que são instituídas as restrições de uso, as propostas de preservação e as ações a serem desenvolvidas na unidade de conservação. Ademais, esse plano visa estruturar a implementação das UCs e promover o melhor projeto de preservação possível, aliado à integração social das comunidades vizinhas.

Unidades de conservação ambiental

Surpreendentemente, o Brasil possui, atualmente, mais de 2.300 unidades de conservação ambiental registradas pelo Ministério do Meio Ambiente. Seja sob domínio das esferas municipal, estadual ou federal. Os parques lideram o número de UCs de Proteção Integral, sendo mais de 450 espalhados pelo país. Vamos conhecer alguns deles?

Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque

Primeiramente, o Parna Montanhas do Tumucumaque é o maior parque do Brasil, com quase 4 milhões de hectares. Criada em 2002 e localizada no Amapá, essa UC faz fronteira com a Guiana Francesa e o Suriname. É uma das maiores áreas de proteção de floresta tropical do mundo e abriga grandes carnívoros, como a onça-pintada e a suçuarana.

Parque Nacional do Pico da Neblina

Similarmente, o Parna do Pico da Neblina fica no Amazonas e foi criado em 1979, com mais de 2 milhões de hectares. Tanto quanto o Parna Montanhas do Tumucumaque, essa unidade de conservação também protege parte da Floresta Amazônica. Nesse parque nacional estão terras indígenas, como dos Cué-Cué/Marabitanas e dos Yanomami. Por consequência e devido ao risco de degradação ambiental, a visitação é mais restrita do que a de outras UCs.

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

Outrossim, o Parna dos Lençóis Maranhenses fica no litoral do Maranhão e é um dos principais destinos turísticos do estado. São 155 mil hectares, que possuem influência de três biomas diferentes: o Cerrado, a Caatinga e a Amazônia. Essa UC é uma boa pedida para quem gosta de praticar trekking, com diversas trilhas e circuitos.

Parque Nacional do Itatiaia

Enfim, criado em 1937, o Parna Itatiaia foi o primeiro Parque Nacional do Brasil. A área abrange municípios do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Essa área é uma boa opção para quem gosta de ecoturismo e turismo de aventura, com cachoeiras, piscinas naturais e o conhecido Pico das Agulhas Negras.

Pode-se perceber a importância de cuidar do meio-ambiente, não é mesmo? Por isso, faça como a Marluvas e invista em atitudes de responsabilidade socioambiental. A natureza agradece!

#Indicca – Geração de Conteúdo

#sustentabilidade #proteção ambiental #botas de trilha #botas com cadarço