Afinal, quem nunca ouviu aquele ditado: “segurança em primeiro lugar”? Em qualquer situação, é melhor “prevenir do que remediar” e apostar na segurança para evitar acidentes de todos os tipos. Em suma, isso vale, para o ambiente de trabalho. Portanto, seja qual for a profissão exercida, é necessário tomar cuidados para que os profissionais tenham o bem-estar físico e mental garantido. O que leva à qualidade de vida com a segurança no trabalho.

Sobretudo, a segurança no trabalho se refere a todas as medidas necessárias, justamente, para promover a segurança e o bem-estar dos profissionais e evitar acidentes. Da mesma forma, são tomadas medidas para minimizar os danos e prejuízos ao trabalhador no caso de tais acidentes ocorrerem. Tanto quanto, são utilizados, em muitos casos, equipamentos de proteção individual (EPIs), que protegem, especificamente, cada profissional. Dentre esses dispositivos estão capacetes, luvas, máscaras e calçados.

Outrossim, quando pensamos em trabalhos de alto risco, fica fácil perceber por que investir na segurança no trabalho. Na construção civil, por exemplo, há riscos que variam de quedas (tanto dos próprios profissionais quanto de objetos pesados) a acidentes com máquinas. Já na área da saúde, a contaminação por fluidos orgânicos é uma das principais preocupações.

Contudo, nem sempre os riscos são tão evidentes ou preocupantes. Mas isso não significa que medidas de segurança não devem ser tomadas para evitá-los. Quando falamos em qualidade de vida dos profissionais no ambiente de trabalho, não consideramos apenas o que é feito para evitar graves acidentes, mas também todas as outras medidas, sejam elas grandes ou pequenas, que promovam o conforto e bem-estar desses profissionais. Quer entender melhor do que estamos falando? A seguir, vamos enumerar quais os riscos – grandes ou “pequenos” – de algumas áreas profissionais.

Eletricidade

A primeira coisa que vem à mente quando se fala em eletricidade são os choques. Quem exerce atividades ligadas à eletricidade, provavelmente, teme as descargas elétricas. E não é para menos: os choques elétricos podem causar contrações musculares e, dependendo de certos fatores, como corrente e tempo de exposição, podem levar a paradas cardíacas e respiratórias, além de queimaduras. Os incêndios devido à pane elétrica também podem ocorrer. Aqueles que fazem instalações e manutenções em redes elétricas altas, como em postes de luz e em fiações urbanas, também estão vulneráveis a quedas.

Por isso, dentre os equipamentos de proteção individual necessários aos trabalhos que envolvem eletricidade, estão capacetes, luvas e macacões condutivos, capazes de proteger contra os choques. Os calçados também são de extrema importância e devem seguir uma série de normas para serem considerados eletricistas, ou seja, seguros para o uso em ambientes com riscos elétricos. Recentemente ocorreram mudanças nessas normas, como a eliminação de componentes metálicos nesses calçados.

Área da Saúde

Enfermeiros, médicos e técnicos da área da saúde lidam diariamente com fluidos orgânicos, como o sangue, e podem entrar em contato com toxinas e microorganismos infecciosos. Desse modo, estão expostos a riscos biológicos, pois, caso esses fluidos estejam contaminados e haja contato direto, dependendo da forma de exposição e do tipo de agente infeccioso, os profissionais podem também se contaminar. Pense em uma amostra de sangue coletada em laboratório, por exemplo. Essa amostra contém o vírus da malária, uma vez que a pessoa cujo sangue foi coletado está doente. Se o profissional que manusear essa amostra não estiver usando luvas e outros equipamentos de proteção individual e acabar derrubando o frasco de sangue, se cortando com o vidro, ele pode acabar contraindo, também, malária, a qual é uma doença transmissível pelo sangue.

Mas os riscos biológicos não são os únicos aos quais esses profissionais estão expostos. Na correria de um hospital ou pronto-socorro, os escorregões podem acontecer. Quem atende os pacientes deve estar 100% para poder ajuda-los, não é mesmo? Dores pelo corpo, machucados e até ossos quebrados podem ser consequências dos escorregões. Parece um risco pequeno, mas, para garantir o conforto e a qualidade de vida dos profissionais da saúde, a utilização de calçados antiderrapantes pode ser uma boa opção.

Área Administrativa

Engana-se quem pensa que a área administrativa está livre de riscos. Quando comparados aos riscos ligados aos serviços que envolvem eletricidade, por exemplo, eles podem parecer pequenos, mas, ainda assim, para garantir o conforto e o bem-estar dos profissionais – e consequentemente aumentar a qualidade de vida com a segurança no trabalho – deve-se prestar atenção nos detalhes.

Assim como, aqueles que trabalham sentados, muitas vezes mexendo no computador, e exercem atividades repetitivas podem acabar com LER (Lesão por Esforço Repetitivo). Essa síndrome abrange um conjunto de doenças, como tendinite e mialgias, que afetam músculos, nervos e tendões. É causada, como o nome diz, por tarefas repetitivas, posições inadequadas ou compressões mecânicas. Além disso, os sintomas incluem dores crônicas, inflamações e fadiga muscular, que se manifestam, principalmente, no pescoço e membros superiores. Sentar-se incorretamente, ou até mesmo a digitação excessiva no computador, pode levar à síndrome. Nesse ínterim, é essencial identificar quais comportamentos estão causando as dores e inflamações. Então, nada de se sentar de forma incorreta na cadeira de trabalho. Fazer pausas e se esticar ao longo do expediente também pode ajudar a prevenir a LER.

E, assim como destacamos nos serviços ligados à área da saúde, as quedas também podem causar dores de cabeça – ou melhor, dores no corpo – para quem trabalha na área administrativa. Inegavelmente, é sempre importante utilizar calçados confortáveis e, de preferência, antiderrapantes, que promovam estabilidade e segurança. As bolhas e micoses também podem aparecer, principalmente com a utilização de calçados desconfortáveis, que geram atrito e retêm umidade. A fim de garantir a segurança e o bem-estar dos profissionais sem perder de vista o estilo, a Marluvas desenvolveu a linha London Safe, com solado antiderrapante e palmilhas higiênicas.

Qualidade de Vida com a Segurança no Trabalho

Portanto, com todas as medidas de proteção ao profissional, a segurança no trabalho, não apenas promove o conforto e o bem-estar, mas garante qualidade de vida no ambiente de trabalho. Então, com uma boa qualidade de vida no setor profissional, os benefícios se estendem também para o âmbito pessoal. Enfim, para ajudá-lo a promover a segurança no trabalho, a Marluvas conta com diversas linhas de calçados de segurança, desenvolvidos com tecnologias de ponta. Conheça nossos produtos e invista em segurança no trabalho.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#equipamentos de segurança #botas de segurança #segurança do trabalho