Calçado de segurança para atividades militares e offshore

Calçado de segurança para atividades militares e offshore

Certamente o serviço militar é um tipo de atividade que demanda a realização de uma série de exercícios intensos. Portanto esses exercícios podem ser realizados nos mais diversos ambientes e em certos momentos necessitam da utilização de roupas e calçados específicos. Vale ressaltar que na maioria absoluta das vezes os militares utilizam calçados de segurança.

Primeiramente as características visuais mais marcantes e que nos vêm à mente quando se trata de serviço militar são farda e coturno. Assim a farda é o uniforme, a vestimenta padronizada que representa a tradição da profissão e reafirma seus valores. O coturno aquele calçado parecido com uma bota. Existem algumas diferenças pontuais entre os dois tipos de calçados, como o estilo de solado, por exemplo.

Você sabia que o coturno também é classificado como um calçado de segurança?

Eventualmente, o coturno é classificado como calçado de segurança devido ao seu alto grau de proteção. Apesar da semelhança com as botas, os coturnos são mais utilizados em determinadas atividades e principalmente em serviços militares. Apesar de cumprirem seu papel como calçado de segurança, eles também contribuem para as questões históricas e estéticas das profissões.

Todavia algumas atividades dos militares exigem muito dos pés e demandam uma proteção reforçada para maior segurança e conforto. O coturno tem a função de proteger os pés, evitar um atrito excessivo com o solo e dar mais estabilidade ao tornozelo.

Coturnos

O coturno 90C32 SELVA SRV é um modelo ocupacional com biqueira de plástico, confeccionado em couro e lona de algodão nas laterais. Possui fechamento em cadarço e proteção nas laterais, além de forração interna e solado bidensidade.

O solado reforçado é marca registrada nos coturnos. Este modelo é constituído de duas camadas de poliuretano (PU), injetado diretamente no cabedal. A primeira camada (entressola) é mais macia e leve, com densidade de 0,4g/cm3 proporcionando maior conforto. A segunda camada (sola) é mais compacta com densidade de 1,0 g/cm3, resistente a abrasão com sistema antiderrapante constituído de ranhuras especiais de 3mm de altura e 6mm de largura. Resistente ao escorregamento em piso cerâmico e piso de aço (Nível SRC).

Outro modelo de coturno Marluvas é o 70C32 MAT. Diferentemente do anterior, este não possui cadarço, seu fechamento é apenas com zíper nas laterais. Confeccionado em microfribra MMicro, o coturno possui colarinho acolchoado, biqueira de polipropileno e palmilha de montagem em poliéster resinado. O solado é isolante em PU bidensidade e sistema de absorção de impacto, injetado diretamente no cabedal.

A MMicro é uma microfibra de alta performance que proporciona, por meio de microporos, a transpiração, absorção e dessorção do suor. Sua textura é muito parecida com o couro, porém é lavável, mais leve e resistente a produtos químicos. Uma tecnologia que atende às normas NBR ISO 20344, NBR ISO 20345 e NBR ISO 20347 e à norma de conforto NBR 14834/2015.

Duas super opções para quem busca coturnos extremamente confortáveis, seguros e fabricados com as melhores tecnologias para calçado de segurança do mercado.

Calçado de segurança para atividades militares e offshore

Além do coturno existem também alguns outros modelos de calçados, como as botas, que são fabricados pensando especialmente em atividades militares e também para as offshore. Todos eles possuem características próximas às do coturno, mas a variação dos modelos são essenciais para adaptação aos diferentes tipos de ambientes e também para agregar valor estético ao calçado e à vestimenta do trabalhador. Vamos analisar algumas características desses calçados voltados para atividades intensas e que exigem proteção.

A primeira característica é o solado. A sola de um calçado de proteção precisa ser mais grossa e reforçada do que os solados de calçados comuns. Essa característica garante mais estabilidade e resistência. O solado grosso combinado com palmilhas especiais garantem resistência a cortes e perfurações. A Marluvas trabalha com diversas tecnologias aplicadas às suas palmilhas a fim de garantir conforto e segurança para os clientes.

Algumas Tecnologias Marluvas

Sem dúvida, a PAP é uma palmilha confeccionada em fibras de aramida não metálica e totalmente resistente à perfuração. Essa é uma palmilha leve e flexível, que cobre 100% da planta do pé. Por certo atendendo às especificações da NBR ISO 20344/2015 a PAP resiste a perfurações mínimas de 1100N. O calçado de segurança semelhante ao coturno possui biqueira de segurança. Por outro lado esse reforço na parte da frente do calçado oferece segurança aos pés evitando esmagamento no caso de queda de objetos pesados.

Sem dúvida a Marluvas possui em sua extensa lista de tecnologias para calçados uma biqueira ultrarresistente confeccionada em composite. Essa biqueira, não metálica, é mais leve, confortável e resiste a impactos de até 200J e compressão 1500N. Todas as características conforme determinações da norma NBR ISO 20345/2015. Além da composite existem também as biqueiras metálicas e as de polipropileno. Do mesmo modo o cano alto com fechamento em cadarço é outra marca do calçado de segurança voltado para militares e trabalho offshore.

Em conclusão o fechamento reforçado recebe auxílio do zíper na lateral do calçado para facilitar no momento de vestir e tirar. Em geral estes modelos de calçado de segurança são confeccionados em couro com tratamento impermeável, além de conter um sistema de absorção e dessorção de suor para controlar a temperatura corporal de quem está utilizando. Dependendo da necessidade o coturno ainda pode ser confeccionado com tecnologia anti chamas. Os calçados Marluvas possuem todas essas tecnologias.


Calçado de segurança para atividades militares


A saber, a Marluvas, líder absoluta no segmento de calçado de segurança, possui em seu catálogo uma série de modelos de calçado de segurança para atividades militares e offshore. Como resultado a bota de segurança 60C39 CPAP WP ZP, por exemplo, é um modelo de calçado que pode ser utilizado tanto em atividade militar quanto offshore. Esse é um calçado confeccionado em couro vaqueta hidrofugado antichamas e que possui em sua forração interna a tecnologia DryOut Water Proof: uma membrana de PU 100% impermeável e transpirável.

Desse modo o fechamento não possui componentes metálicos e sua biqueira é de composite, o que permite que este calçado de segurança seja utilizado também em atividades com risco de eletricidade. A palmilha, confeccionada em tecido poliéster, é resistente à perfuração e cobre 100% da planta dos pés. Por fim o solado é composto de um bicomponente de Poliuretano/Borracha e resiste ao contato com superfícies de até 300°C por 1 minuto.

Calçado de segurança tem que ter qualidade

Primordialmente a Marluvas produz calçados que atendem às normas nacionais e internacionais. A fim de manter a qualidade e a relação custo-benefício dos produtos, a empresa tem uma estrutura com softwares e equipamentos de última geração que agilizam  o desenvolvimento e os processos de fabricação. Acima de tudo os modelos são desenvolvidos a partir de pesquisas, buscando sempre alta performance, durabilidade e diferenciação no design para cada área de trabalho.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#calçados de proteção #calçados militares #bota confortável #botas cano alto

Equipamentos de proteção individual – Conheça os calçados em EVA

Equipamentos de proteção individual – Conheça os calçados em EVA

Se você costuma acessar nosso blog, provavelmente já se deparou com o tema “segurança no trabalho”. O assunto é recorrente em nossos textos por um motivo simples: é de extrema importância. Mas, caso ainda não esteja familiarizado com o termo, não se preocupe, porque vamos relembrar um pouco sobre o que é e por que é preciso investir em segurança no trabalho.

Segurança no trabalho

A segurança no trabalho se refere a todas as medidas necessárias para prevenir qualquer tipo de acidente e reduzir os riscos aos quais um trabalhador está exposto. Para tanto, as empresas devem seguir as Normas Regulamentadoras (NRs) instituídas pelo Governo Federal, que determinam, por lei, quais precauções devem ser tomadas nas mais diversas situações de trabalho. Desse modo, existem mais de 30 NRs – cada uma leva em consideração as peculiaridades dos serviços e dos ambientes de trabalho. Há, por exemplo, a NR-10, voltada às medidas de segurança para trabalhos com eletricidade, e a NR-32, que determina diretrizes para serviços de saúde.

Normas Regulamentadoras

Um dos principais pontos da maior parte das Normas Regulamentadoras faz referência à utilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs). Os EPIs, como o próprio nome diz, são equipamentos que irão proteger cada trabalhador de uma série de riscos, como quedas, queimaduras e choques. Esses equipamentos serão definidos de acordo com o ambiente de trabalho. Quem trabalha com eletricidade, por exemplo, deve utilizar equipamentos isolantes, enquanto aqueles que lidam com produtos químicos devem dispor de botas e luvas impermeáveis.

Norma Regulamentadora do EPI

A Norma Regulamentadora 6 trata, exclusivamente, dos EPIs. Segundo a NR-6, de acordo com as peculiaridades de cada atividade profissional, é obrigatório por parte do empregador fornecer todos os equipamentos necessários para proteger a saúde, segurança e integridade do trabalhador. Contudo, não é suficiente apenas fornecer os EPIs: é necessário exigir o uso desses equipamentos de segurança.

É preciso seguir à risca todas as normas previstas por lei

Dessa forma, é preciso seguir à risca todas as normas previstas por lei, sob risco de penas previstas pela legislação. A correta implementação das Normas Regulamentadoras no ambiente de trabalho garante a saúde e o bem-estar dos trabalhadores, sendo imprescindíveis em qualquer empresa privada ou órgão público. A orientação sobre a utilização adequada dos EPIs também é de responsabilidade do empregador. Um equipamento mal colocado ou usado de forma incorreta pode ser ineficaz e falhar na hora de proteger o trabalhador de riscos e acidentes. Portanto, quando o assunto é segurança, é essencial não somente fornecer todos os equipamentos necessários, como também informar sobre a correta utilização desses EPIs.

Atenção à certificação dos equipamentos de proteção individual

 Entretanto, além de tais medidas, é preciso estar atento à certificação dos equipamentos de proteção individual. Os EPIs devem possuir Certificado de Aprovação (CA) expedido pelo órgão competente do Estado. O CA tem data de validade e, para que a situação do produto esteja sempre regular, é necessário renová-lo de tempos em tempos. Dessa forma, será possível analisar, de forma recorrente, se o equipamento de segurança está de acordo com as normas estipuladas e, no caso de novas regras, se ele se adequou à nova legislação. Os calçados Marluvas possuem todos os certificados exigidos para garantir a segurança, a saúde e o bem-estar do trabalhador. Conte sempre com uma empresa de confiança e qualidade para fornecer os EPIs corretos para seu ambiente de trabalho.

Os calçados em EVA Equipamentos de proteção em EVA

Dentre os diversos equipamentos de proteção individual estão capacetes, luvas, máscaras e, é claro, os calçados. Alguns desses EPIs, como botas de borracha ou PVC, são conhecidos por muitos, mas você já ouviu falar dos calçados em EVA?

O EVA é a forma popular de se referir ao Etileno Acetato de Vinila, um polímero emborrachado. Provavelmente você já viu folhas de EVA em papelarias e até já as utilizou em trabalhos escolares ou artesanatos. Entretanto, esse produto é bastante versátil, podendo ser empregado, ainda, na fabricação de tatames ou até protetores de para-choques.

Calçados de Etileno Acetato de Vinila – (Equipamentos de proteção em EVA)

Nos calçados, o Etileno Acetato de Vinila é utilizado para dar leveza e flexibilidade. Devido a essas características, os calçados em EVA são muito confortáveis, se mostrando perfeitos para quem tem jornadas extensas de trabalho e necessita de comodidade. Esse tipo de EPI também é uma boa pedida para quem fica muito tempo em pé ou transita recorrentemente no ambiente de trabalho, como enfermeiros e médicos plantonistas. Dessa forma, mesmo em serviços com cargas horárias longas e atividades que requeiram movimentos constantes, os calçados em EVA são capazes de dar conforto e comodidade ao trabalhador, melhorando a qualidade do ambiente de trabalho.

Calçados possuem alta absorção de impacto

Além disso, esses calçados possuem alta absorção de impacto – é por esse motivo que os Equipamentos de proteção em EVA são utilizados na fabricação de tatames, usados em esportes que envolvem artes marciais e lutas, por exemplo. Isso aumenta a durabilidade do produto, que não “acaba” com facilidade. Outra vantagem dos calçados em EVA é a fácil higienização. Por ser uma espécie de material emborrachado, o Etileno Acetato de Vinila é muito fácil de limpar. Às vezes apenas água e sabão são suficientes para retirar sujeiras e manchas. Quando isso não é o bastante, pode-se usar detergente, cloro ou água sanitária. Entretanto, é preciso tomar cuidado com temperaturas elevadas, que podem derreter o produto. O ideal é fazer a secagem com um pano ou à sombra.

Segurança e comodidade do trabalhador

Pensando na segurança e na comodidade do trabalhador, a Marluvas criou a linha Flex Clean, composta exclusivamente por calçados em EVA (Equipamentos de proteção em EVA). Além do conforto, da absorção de impacto e da fácil higienização, os calçados Flex Clean têm solado Full Grip, com tecnologia antiderrapante, e são impermeáveis. Os solados antiderrapantes – assim como os calçados em EVA – são perfeitos para quem trabalha com saúde, alimentação ou serviços gerais, pois são mais aderentes e previnem quedas devido a escorregões ou derramamento de líquidos. Já a impermeabilidade impede que haja eventuais contatos com produtos químicos perigosos, como os corrosivos e irritantes, ou até biológicos, como sangue. A linha Flex Clean também possui palmilhas higiênicas, que absorvem umidade, promovendo ainda mais conforto e comodidade.

Outro diferencial dessa linha Marluvas é a sustentabilidade. Além de cuidar da saúde e segurança do trabalhador, os calçados em EVA Flex Clean são recicláveis. Mais um motivo para confiar na qualidade Marluvas, não é mesmo? Conheça nossas linhas e escolha o calçado ideal para suas necessidades.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#galocha #botas sete léguas #calçados de proteção #eva

Como funcionam as tecnologias em calçados de segurança

Não importa qual seja o setor ou o serviço prestado por determinada empresa, em todos os âmbitos deve-se ter como uma das prioridades a segurança no trabalho (a Marluvas trabalha com os calçados de segurança). Esse termo refere-se a todas as medidas necessárias para se evitar qualquer tipo de acidente que possa prejudicar a saúde física, ou mesmo psicológica, de um trabalhador. Para tanto, existem medidas de segurança individual e coletiva determinadas por lei, de acordo com as Normas Reguladoras (NRs) estipuladas pelo Governo Federal.

Normas Reguladoras (NRs)

Todavia, essas Normas Reguladoras instituem uma série de cuidados, no contexto da segurança no trabalho, que devem ser tomados por funcionários e empresas, dependendo do setor e do serviço. Dentre as diversas medidas de segurança, está o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), que também são determinados de acordo com a função exercida. Os EPIs são utilizados para proteger cada trabalhador de diferentes riscos aos quais está exposto. Dessa forma, quem lida com a área da saúde deve usar certos EPIs, enquanto aqueles que mexem com produtos químicos devem usar outros tipos de dispositivos de segurança. Todos esses equipamentos de proteção individual são especificados nas mais de 30 NRs, que levam em conta as peculiaridades e os perigos de cada serviço.

Calçados de segurança

Além disso, por exemplo, capacetes, luvas e máscaras, os calçados de segurança também são considerados equipamentos de proteção individual. Assim como os EPIs, esses calçados precisam estar de acordo com as especificidades de cada profissão. Portanto, os calçados utilizados por eletricistas não terão as mesmas especificações de segurança que aqueles usados por enfermeiros, por exemplo. Cada calçado utilizado como EPI deverá possuir as características necessárias para a proteção, conforto e segurança do trabalhador que exerce o serviço em questão.

Equipamentos de proteção individual

Assim sendo, para atender a todas as necessidades de um EPI e garantir a comodidade e a segurança do trabalhador, os calçados precisam contar com tecnologias que os transformam em equipamentos de alta qualidade. Os calçados Marluvas possuem uma série de tecnologias que buscam fornecer o máximo de proteção e conforto, tanto para calçados de segurança, que podem funcionar como EPIs, quanto para outros tipos de calçados, como os utilizados para o trekking. Você já conhece as tecnologias Marluvas?

M Micro

Os calçados com tecnologia M Micro são feitos com microfibra de textura semelhante ao couro. A vantagem em relação ao couro é que a microfibra é mais leve e lavável. Além disso, esses calçados permitem, por meio de microporos, a transpiração, absorção e dessorção do suor, oferecendo mais conforto e comodidade. Um importante diferencial da tecnologia M Micro é a resistência a produtos químicos, sendo uma opção segura para quem trabalha em ambientes com riscos químicos.

Thermal Insole

Esses calçados possuem palmilhas isolantes, revestidas com alumínio e fibras, sendo capazes de proteger contra o calor e o frio. Podem ser utilizados, por exemplo, no segmento alimentício ou em frigoríficos, onde os trabalhadores estão sujeitos a baixas temperaturas devido ao armazenamento dos produtos.

PAP

Os calçados com tecnologia PAP possuem palmilhas em fibras de aramida, uma espécie de fibra sintética. Essas palmilhas são resistentes à perfuração, além de serem leves e flexíveis. Podem ser usadas em diferentes setores, como o agrícola.

Composite TOE (calçados de segurança)

São calçados com biqueira de composite, resistente ao impacto e à compressão. O composite é um composto de fibra de carbono, vidro e poliéster especial, ou seja, não é metálico. Além da leveza, a vantagem de uma biqueira não metálica é a não condução de eletricidade – um diferencial para quem trabalha em ambientes com riscos elétricos, pois o metal é condutor.

Air Comfort

Com a finalidade de dar mais leveza e suavidade ao produto, s calçados com tecnologia Air Comfort são feitos com tecidos de fibra de poliéster. Dessa forma, os calçados garantem mais conforto e comodidade aos usuários.

Couro FR

Com o propósito de proteção, os calçados com Couro FR impedem a propagação de chamas e diminuem a irradiação de calor interno. São ideais para quem trabalha em ambientes com riscos relativos ao fogo, já que podem evitar queimaduras e protegem contra o calor excessivo.

DryOut

Todavia, os calçados com tecnologia DryOut possuem membranas de poliuretano (PU), utilizado para a impermeabilização. Mas, mesmo sendo calçados impermeáveis, eles ainda são transpiráveis. Basicamente, os microporos da membrana são menores que as gotas de água, impedindo-as de penetrar no calçado. Entretanto, esses microporos são maiores que o vapor de água, o que permite a dessorção do suor.

Outlast Climatech (calçados de segurança)

Em resumo, são calçados com sistema de dispersão de umidade e termorregulação. Essa tecnologia mantém a temperatura dos pés, além de permitir que permaneçam secos. Dessa forma, em ambientes quentes o calor é absorvido, prevenindo o suor. Já em ambientes frios, o calor é retido, permitindo que os pés se mantenham aquecidos. São calçados ideais para quem pratica caminhadas, trekking ou trilhas, por exemplo.

TPU Plate

Com a finalidade de maior sustentação ao tornozelo, é aplicado um inserto no solado dos calçados com tecnologia TPU Plate. Essa aplicação permite que o usuário tenha maior estabilidade, principalmente em terrenos irregulares. Esses calçados também podem ser utilizados por quem faz caminhadas em ambientes naturais, sem estabilidade de terreno, ou mesmo em determinados setores de indústrias.

Nubuck Repel

Os calçados com tecnologia Nubuck Repel são feitos de couro repelente à água. Devido ao tratamento especial do couro, esses calçados impedem a penetração de umidade quando há contato repentino com a água. Em trilhas, por exemplo, se o usuário pisar em uma poça de água, com essa tecnologia o calçado impedirá que os pés se molhem.

Soft Comfort (calçados de segurança)

A fim de proporcionar maior proteção contra micro-organismos, os calçados com palmilhas higiênicas, que possuem propriedades antibacterianas. Além disso, as palmilhas Soft Comfort são compostas por EVA e micropontos, os quais permitem a absorção e dessorção do suor, prevenindo a umidade.

Enfim, os calçados Marluvas combinam várias dessas tecnologias em um só produto, oferecendo as melhores características de acordo com as necessidades de cada profissão, serviço ou atividade. Confira nossas linhas e escolha o calçado que mais se adequa ao que você precisa, seja para cumprir a função de EPI, garantindo a segurança no trabalho, ou para oferecer conforto e comodidade na hora de atividades como o trekking e a caminhada.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#calçados em eva #calçados de proteção #luvas de proteção

Aprenda a escolher o melhor calçado de segurança

Aprenda a escolher o melhor calçado de segurança

O calçado de segurança é um equipamento de proteção individual exigido nas mais diferentes profissões (Como escolher calçado de segurança). Contudo, levando em consideração que os pés são um dos maiores responsáveis por sustentar nosso corpo durante todo o dia, arriscamos dizer que o calçado de segurança é um dos EPI’s mais importantes que existem. Decerto é exatamente isso que deve ser levado em consideração no momento da sua escolha.

Afinal, o calçado de segurança deve oferecer o máximo de conforto já que serão muitas horas diárias de uso. Isto é, além de cumprir com excelência seu papel de proteção à saúde do trabalhador. Pesquise bem antes de efetuar a compra. Outrossim, é preciso lembrar que um bom calçado tem impacto direto na produtividade do colaborador e que essa característica está totalmente relacionada aos lucros da empresa ao final do mês.

Como escolher corretamente o calçado de segurança

Com toda a certeza, no momento da escolha do calçado de segurança devemos levar em conta uma série de fatores. Antes de mais nada o fator principal é o tipo de atividade que será exercida pelo colaborador. Quais são os riscos que essa atividade oferece à sua saúde e segurança? Podemos  classificar esses riscos em quatro categorias:

  • Riscos Físicos: vibrações; temperaturas; perfurações; impactos de objetos pesados e radiação.
  • Riscos Químicos: Líquidos; vapores; poeiras e fumos.
  • Riscos Biológicos: Vírus e bactérias
  • Riscos Ergonômicos: Postura, movimentos repetitivos de pés e pernas; impactos nos pés e pernas.

A NR6 é a norma regulamentadora responsável por orientar a utilização dos equipamentos de proteção individual. De acordo com a norma (Anexo 1 – G) os calçados de segurança estão classificados em sete grupos:

a) calçado para proteção contra impactos de quedas de objetos sobre os artelhos;

b) calçado para proteção dos pés contra agentes provenientes de energia elétrica;

c) calçado para proteção dos pés contra agentes térmicos;

d) calçado para proteção dos pés contra agentes abrasivos e escoriantes; 

e) calçado para proteção dos pés contra agentes cortantes e perfurantes;

f) calçado para proteção dos pés e pernas contra umidade proveniente de operações com uso de água;

g) calçado para proteção dos pés e pernas contra agentes químicos. (Alterada pela Portaria MTE n.º 505, de 16 de abril de 2015).

Todos os riscos citados anteriormente são englobados pela NR6. Sabendo quais deles se encaixam na atividade desenvolvida pelo seu colaborador, é hora de escolher qual modelo de calçado oferece o melhor solado, o melhor material para o cabedal, se o cano será baixo ou alto, se o calçado será em couro simples ou com tratamento especial, entre outras características.

Algumas características dos calçados de segurança

Biqueira

Em primeiro lugar, as biqueiras do calçado de segurança são confeccionadas em dois materiais mais comuns: aço e composite. A biqueira de aço é resistente a impactos de alta intensidade, quedas de objetos, cortes e perfurações.

A biqueira de composite oferece o mesmo grau de proteção da biqueira de aço com o plus de ser mais leve e também resistente a choques elétricos. Portanto mais uma vez deve-se levar em conta a atividade a qual o calçado será destinado.

Solado

Em segundo lugar, o solado do calçado de segurança é um item que deve receber atenção especial. Além de proporcionar conforto ao trabalhador, o solado protege contra diversos riscos (choques, cortes, escorregões). A Marluvas trabalha com diferentes tecnologias aplicadas aos solados dos seus calçados para oferecer um maior conforto e uma maior proteção aos seus clientes.

A tecnologia TPU Plate, por exemplo, consiste em um inserto de TPU ANTI-TORSION aplicado no enfranque do solado, a fim de oferecer maior sustentação ao tornozelo, estabilidade em terrenos irregulares e ao subir escadas, evitando acidentes.

As palmilhas funcionam como uma camada extra de proteção junto ao solado. A PAP, Palmilha em fibras de aramida não metálica resistente à perfuração, é leve e flexível. Cobre 100% da planta do pé e resiste à perfuração mínima de 1100N conforme norma NBR ISO 20344/2015.

Cabedal

Em terceiro lugar, o cabedal é a parte superior do calçado de segurança. É ele quem protege o pé em caso de quedas de objetos pesados, cortantes, perfurantes, etc. O cabedal pode ser confeccionado em diferentes materiais e mais uma vez sua escolha deve ser cuidadosa, levando sempre em consideração os riscos aos quais o colaborador está exposto.

A nova norma ABNT NBR 16.603:2017 impõe algumas mudanças ao estilo do cabedal dos calçados de segurança para trabalhos em instalações elétricas. Ou seja, a norma cancela e substitui a ABNT NBR 12.576:1992 e foi elaborada pelo Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual e pela Comissão de Estudo de Calçado de Uso Profissional com base na ASTM F 2413:2015.

A ABNT NBR 16.603:2017 prevê que as áreas do cabedal não devem possuir costuras ornamentais, sendo que toda a região do dorso até o ressalto deverá estar livre de costuras. Isto é, inclui a questão solados blaqueados (costurados) na região frontal do cabedal. Uma vez que um mesmo calçado de segurança pode ser confeccionado com tecnologia suficiente para proteger contra diversos riscos ao mesmo tempo.

Outras observações sobre a escolha do calçado de segurança

Além disso observar os riscos aos quais o colaborador está exposto a fim de escolher o modelo ideal do calçado de segurança, é importante levar em conta outros fatores mais técnicos. A saber, o Certificado de Aprovação (CA) e sua validade bem como a validade do calçado são pontos importantíssimos e devem receber total atenção no ato da compra.

Afinal o CA é regulamentado pela NR6, que prevê que todo tipo de EPI (nacional ou importado) só pode ser comercializado e utilizado se houver um Certificado de Aprovação válido. Enfim, o CA garante que o equipamento de proteção individual está em conformidade com as normas de segurança. Seu prazo de validade que deve ser respeitado pelo fabricante e renovado dentro do limite máximo de 90 dias antes do vencimento.

Por fim, é importante lembrar que a validade do Certificado de Aprovação não tem relação com a validade do calçado de segurança. São duas coisas diferentes! Visto que a validade do CA determina por quanto tempo o produto fabricado pode ser comercializado. Enquanto a validade do EPI determina por quanto tempo ele pode ser utilizado sem perder as garantias dos testes de qualidade e  sem oferecer risco à saúde e à segurança do trabalhador.

A Marluvas é capaz de oferecer tudo o que você precisa em calçado de segurança e muito mais. Prove e comprove.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#bota de proteção #calçados de segurança #epi

Turismo ecológico – Saiba por que usar botas impermeáveis no seu passeio

Embora a correria do dia-a-dia, do estresse no trânsito, da rotina incessante de trabalho e das incontáveis obrigações cotidianas, muitas pessoas buscam, no contato com a natureza, um momento de alívio. Fazer um turismo ecológico passando algum tempo ao ar-livre é uma ótima maneira de fugir da agitação dos centros urbanos e relaxar. Há também quem utilize os espaços naturais como alternativa às artificiais academias e aos centros de treinamento. Nesse contexto, entram os esportes praticados em ambientes naturais, como o trekking, escalada, caminhada ou montanhismo. Essas são opções agradáveis para quem não é muito fã de aeróbica e musculação.

Assim, quem gosta de estar em contato com a natureza, seja para fazer exercícios e praticar esportes, ou simplesmente para relaxar e aproveitar, deve investir no turismo ecológico. O turismo ecológico – também conhecido como ecoturismo ou turismo de natureza – é voltado à visitação de ambientes naturais e de conservação, como parques, reservas e serras. São inúmeras as atividades que podem ser feitas nesses locais. Além do próprio passeio pelo ecossistema, em muitos lugares também há estrutura para o lazer e a prática de esportes. Frequentemente são oferecidas atividades orientadas, como trilhas, caminhadas em grupo, escaladas e mergulhos.

Atividades de Ecoturismo

Entretanto, as atividades disponíveis dependem da infraestrutura do local. Muitos parques nacionais, estaduais ou municipais, são mais voltados à preservação e manutenção do bioma. Por isso, as permissões de uso são mais restritivas nessas unidades. Sendo assim, é importante pesquisar bem o destino do passeio na hora de planejar a viagem, para que ele esteja de acordo com as atividades pretendidas. Conquanto, se o seu objetivo é a prática do trekking, por exemplo, existem locais que dispõem de diversas trilhas e circuitos famosos. Um deles é o Parque Estadual da Serra da Tiririca, no estado do Rio de Janeiro, que conta com mais de 10 percursos diferentes.

Se preparando para o passeio – Turismo ecológico

Antes de mais nada, escolher o destino com cuidado e pesquisar bastante sobre o local. Quando se fala em turismo ecológico é muito importante pensar nos alimentos, roupas e calçados ideais. Como, geralmente, passa-se um grande período caminhando pelos ambientes naturais, é essencial alimentar-se bem, independentemente da prática de esportes ou não. São preferíveis alimentos leves, como frutas e cereais, menos propensos a causar algum tipo de mal-estar. Principalmente, para não passar fome durante o passeio, deve-se levar também algum lanchinho saudável. Primordialmente levar, ainda, uma garrafinha de água, de preferência grande, para evitar desidratação, principalmente em dias quentes.

Sobretudo, as roupas devem estar adequadas ao clima e ao ambiente, mas, em qualquer situação, é preciso que sejam confortáveis. Calças são mais indicadas devido à picada de insetos e à folhagem, que pode causar arranhões. Em caso de tropeções ou quedas – comuns por causa da irregularidade do terreno – as calças também protegem os joelhos. Já as blusas ideais variam com o clima. No calor, camisetas e regatas são boas pedidas, principalmente as que possuem tecnologias de dispersão de suor. Já no frio, é recomendada a utilização de casacos térmicos e impermeáveis. Além de manter a temperatura do corpo, impedem a entrada de água nas camadas mais internas de roupa, o que é importante em caso de chuva e umidade excessiva.

Turismo ecológico

Ao preparar tudo para a viagem, não se deve esquecer, é claro, de escolher o calçado ideal para o passeio. E, nesse caso, a melhor opção é a bota impermeável. As botas impermeáveis se diferem das botas comuns por impedirem a entrada de água no calçado. Sendo assim, enquanto as botas comuns deixam os pés sujeitos à umidade externa, as botas impermeáveis impedem que essa umidade atinja a parte interna do calçado e molhe os pés. Sobretudo, em ambientes naturais, o terreno é muito variável, podendo contar com a presença de poças de água, riachos, lama e chuva. Para estar preparado para qualquer uma dessas situações, deve-se apostar na utilização desses calçados. Eles irão prevenir que os pés se molhem, dando ainda mais conforto e segurança ao usuário.

A umidade nos pés pode ocasionar o aparecimento de bolhas e micoses, sendo importante evitá-la. Todavia, a impermeabilidade do calçado pode ser mais importante do que a do agasalho, pois os pés estão mais expostos à umidade do que o corpo. Uma vez que o terreno, em diversas situações, como as citadas, encontra-se molhado, enquanto o corpo fica exposto à umidade principalmente em casos de chuva.

Calçados Impermeáveis – Turismo ecológico

Dessa forma, pode-se perceber as vantagens da bota impermeável em relação à bota comum e entender o porquê de ela ser a melhor escolha quando o assunto é turismo ecológico. Contudo, é preciso ficar atento a um ponto importante: o suor. Algumas botas impermeáveis, como impedem a entrada de água, também evitam que o suor dos pés saia do calçado. Sendo assim, elas protegem os pés da umidade externa, mas, em contrapartida, não deixam a umidade interna se dissipar. Portanto, nesses casos, os pés continuam expostos à umidade, só que, desta vez, advinda do suor, e permanecem sujeitos ao surgimento de bolhas e micoses.

Por isso, a linha Premiere Plus da Marluvas conta com a tecnologia DryOut – que garante a impermeabilidade do calçado. Aliada à tecnologia SoftBedPU, que permite a absorção e dessorção do suor através de microporos. Os microporos são menores que as gotas de água, o que impede a sua penetração no calçado, mas são maiores que o vapor de água, o que permite a dessorção do suor. Além disso, a linha também é confeccionada com Couro WR, que possui tratamento especial e é resistente à água, oferecendo mais uma camada de proteção contra a umidade.

Já a tecnologia Climatech permite a termorregulação. Em ambientes quentes, o calor é absorvido, prevenindo o suor. Já em ambientes frios, o calor é retido, permitindo que os pés se mantenham aquecidos. Por fim, o inserto de TPU confere mais sustentação ao tornozelo e, consequentemente, mais estabilidade em terrenos irregulares, o que é perfeito para o turismo ecológico.

Conclusão
Portanto, ao optar pelo turismo ecológico e preparar sua viagem, escolha a linha Premiere Plus da Marluvas. Os calçados Premiere Plus, com as melhores tecnologias, oferecem o máximo de conforto e segurança para quem gosta de estar em contato com a natureza e praticar atividades ao ar-livre. Conheça essa e outras linhas e escolha o calçado que mais se adequa às suas necessidades.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#bota impermeável #botas trekking #calçados trekking #proteção