Não existe segurança no trabalho sem medidas de proteção efetivas. Além de um ambiente com medidas coletivas de proteção adequadas às atividades, o trabalhador também precisa utilizar EPIs para garantir sua segurança diante de situações em que as medidas coletivas de proteção não são suficientes por si só. Medidas coletivas de proteção, consistem em ações não individuais como a instalação de parapeitos em ambientes altos; corrimãos em escadas; placas que sinalizam áreas de risco e outras. Nova tecnologia Nanotech.

Assim como as medidas coletivas, os EPIs também são diversos e destinados à proteção de diferentes partes do corpo. Além disso eles são adaptáveis às mais diversas atividades de trabalho. A NR6, que regulamenta o uso, a distribuição e tudo mais que envolva os equipamentos de proteção individual, separa os equipamentos nas seguintes categorias: proteção da cabeça; proteção dos olhos e face; tem a proteção auditiva; a proteção respiratória; assim como a proteção do tronco; proteção dos membros superiores; também a proteção dos membros inferiores; proteção do corpo inteiro; proteção contra quedas com diferença de nível.

Materiais de fabricação dos EPIs

Os materiais de fabricação dos EPIs vão de acordo com o tipo de proteção que ele oferece. Os calçados de proteção, por exemplo, podem ter diferentes características ou reunir todas elas em um só: ser impermeáveis; resistentes a produtos químicos; resistentes ao fogo, podem possuir solado antiperfurante e/ou antiderrapante; regulação interna de temperatura; biqueira antiesmagamento; proteção contra choques elétricos e muitas outras características específicas.

A Marluvas, líder nacional em calçados de proteção, trabalha com todas essas tecnologias presentes em seus calçados. A marca leva muito a sério a saúde do trabalhador e a segurança no trabalho. Proteção e conforto são duas palavras cem por cento presentes no dia a dia da empresa e em cada um dos seus produtos. Você sabia que existe uma tecnologia Marluvas que é capaz de integrar, de forma completa e eficaz, o EPI a algumas medidas coletivas de proteção?

Entenda mais a seguir.

Segurança no trabalho tem tudo a ver com tecnologia – Tecnologia Nanotech

Os calçados de proteção são um dos itens mais utilizados quando se trata de equipamento de proteção individual e segurança no trabalho. Trabalhadores da construção civil; eletricistas; bombeiros; trabalhadores da área da saúde; serviços gerais; indústrias de todos os tipos; mecânicos; militares; motoboys e muitas outras atividades demandam a utilização de calçados específicos.

Pensando na diversidade de atividades que utilizam os calçados e em formas de aumentar ainda mais a segurança no trabalho, a Marluvas desenvolveu uma forma de aplicação da tecnologia NanoTech nos calçados de proteção. A utilização da Nanotech é uma revolução nos EPIs. É a introdução da indústria 4.0, e da chamada “internet das coisas”, nos calçados de proteção. “Mas como essa tecnologia funciona na prática?”, você deve estar se perguntando. Vamos entender.

A aplicação da tecnologia NanoTech nos calçados de proteção consiste na implantação de um chip no equipamento. Esse chip, que funciona através de rádio frequência, consegue emitir sinais referentes à localização do calçado, além de permitir a sua identificação. Dessa maneira, é possível controlar os acessos a lugares restritos, por exemplo. Além de monitorar se o colaborador está realmente fazendo uso do seu calçado e desempenhando as atividades que lhe foram confiadas.

Utilização do CHIP

Entende como a utilização do chip é capaz de unir o EPI a uma importante medida de proteção coletiva? O acesso restrito a determinadas áreas é uma medida de segurança no trabalho que muitas empresas adotam a fim de impedir a ocorrência de acidentes causados pela circulação de pessoas em locais inapropriados. A curiosidade, ou a falta de conhecimento real de certos perigos, faz com que muitas vezes os colaboradores circulem, de forma indevida, em áreas de acesso restrito.

De fato, a circulação indevida pode comprometer a segurança no trabalho de diferentes formas. Uma delas é causando acidentes pela distração dos trabalhadores em funções que exijam muita atenção. Dessa forma o chip com tecnologia NanoTech implantado no calçado funciona como um sensor. Quando o colaborador passa por um local que contém um leitor o calçado é identificado em tempo real. Como resultado se o local é de acesso restrito, a porta, catraca ou qualquer outro meio de passagem, só se abre caso o calçado seja identificado como autorizado para isso.

Quando o calçado de proteção não é reconhecido a entrada do colaborador não é autorizada. Além dessa função o sistema também pode, ainda por meio da leitura do equipamento de proteção individual, verificar se a pessoa que está usando o calçado de proteção realmente é a dona do mesmo. Essa função é muito importante para garantir que o sistema de segurança não está sendo burlado. Uma pessoa com acesso a determinada área restrita não pode emprestar seu calçado para alguém que tem o acesso negado.

Tecnologia NanoTech

Para que essa última funcionalidade seja efetiva é necessário que se utilize também uma tecnologia de reconhecimento facial na entrada das áreas restritas. A tecnologia NanoTech se alia às medidas para segurança no trabalho das mais diversas formas e uma outra forma possível de acompanhamento a ser realizado é sobre a saúde e sobre o desempenho dos colaboradores. Monitorando dados salvos no chip de cada colaborador é possível verificar quais deles estão com os exames médicos em dia ou não.

É possível também monitorar quais colaboradores precisam fazer reciclagem de treinamentos, por exemplo. O setor administrativo pode acompanhar quem está utilizando corretamente o tempo de descanso e verificar se o tempo de permanência dentro dos ambientes de risco está sendo respeitado. Um exemplo são os funcionários que trabalham em câmaras frias e alto fornos.

Certamente a tecnologia NanoTech é extremamente agregadora e para tê-la em sua empresa basta entrar em contato com a Marluvas. A segurança no trabalho deve ser levada a sério e pode ser muito eficaz quando as ferramentas corretas são utilizadas.

Conheça mais tecnologias para segurança no trabalho, conforto e bem-estar

O número de horas que se passa com o calçado de proteção nos pés exige que o EPI seja confortável e de altíssima qualidade. Além disso tem que garantir a segurança no trabalho necessária, é preciso que o colaborador esteja se sentindo bem e à vontade ao utilizar o EPI. Pensando nisso a Marluvas lança mão de uma série de tecnologias de ponta, além da NanoTech, capazes de agregar o máximo de segurança e conforto aos calçados.

As tecnologias utilizadas nos calçados Marluvas vão além da segurança no trabalho, ou seja, atuam também em prol do conforto e do bem estar pessoal do trabalhador. A tecnologia Air Confort por exemplo consiste em um tecido mais leve, mas igualmente seguro, capaz de gerar leveza e suavidade para o trabalhador. A Outlast Climatech é um forro com sistema inteligente de dispersão de umidade e termorregulador de temperatura. Em ambientes quentes ele retarda o suor e em ambientes frios mantém o calor irradiado pela pele dentro do calçado por mais tempo.

Sem dúvida, a Soft Bed PU é uma palmilha em PU injetado que proporciona uma perfeita adequação aos pés e muito mais conforto, evitando a fadiga muscular. Sua superfície em microporos proporciona maior absorção e dessorção de suor. Por fim, a Soft Comfort é uma palmilha higiênica com propriedades antibacterianas composta de EVA e micropontos que também são capazes de proporcionar absorção e dessorção do suor.

#Indicca – Geração de Conteúdo

#calçados de segurança #calçados Marluvas #produtos Marluvas