notícias

Tudo o que você precisa saber sobre a modalidade “Off Road”

Recentemente falamos sobre o turismo de aventura e apresentamos algumas modalidades que carregam amantes do esporte e da natureza pelo Brasil afora: desde as práticas mais leves e tranquilas como o trekking e o arvorismo, passamos também pelo rappel e pela canoagem. Todas essas modalidades são extremamente prazerosas para quem não dispensa a companhia da natureza e a contemplação de belas paisagens.

Neste artigo vamos falar sobre mais uma modalidade bastante apreciada pelos amantes do turismo de aventura: o off road. Um pouco mais radical e menos democrática do que as citadas anteriormente. A modalidade off road envolve veículos motorizados e por isso possui uma quantidade maior e mais específica de pré-requisitos quando comparada com as modalidades que falamos rotineiramente aqui no blog.

Para começo de conversa gostaríamos de explicar a você qual o significado da expressão off road.

Conheça a modalidade off road

Proveniente da língua inglesa, a expressão off road significa “fora da estrada”. E serve para nomear toda e qualquer atividade esportiva e/ou automobilística que são realizadas em áreas livres de pavimentação e geralmente com difícil acesso. O contato com a natureza é bastante apreciado pelos praticantes da modalidade e por este motivo os locais escolhidos para a prática são, em geral, distantes das áreas urbanas.

O objetivo do off road é a superação das dificuldades  de acesso e a transposição dos obstáculos impostos pela natureza: lama, pedras, erosões, subidas e descidas íngremes, neve, alagamentos… A presença dos obstáculos e sua intensidade dependem do local e da época escolhida para a prática. As pessoas que escolhem o off road para a prática esportiva gostam de adrenalina e velocidade.

As atividades mais comuns dentro da modalidade costumam utilizar veículos motorizados como motos, jeeps e camionetes. Porém existem também algumas atividades off road menos difundidas onde o praticante utiliza cavalos, bicicletas ou vai a pé. A prática pode ser realizada apenas como atividade de lazer ou também em forma de competições organizadas e regulamentadas.

Competições off road

Quando o assunto são competições off road podemos citar algumas modalidades: os enduros, os rallys e os raids. O maior rally da América Latina é realizado anualmente no Brasil e completa 27 anos neste ano de 2019: o Rally dos Sertões. Com duração de dez dias, a competição costuma ter as quatro primeiras etapas válidas para o Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country.

O Rally dos Sertões passa por diversas cidades em diferentes estados. Mobiliza cerca de duas mil pessoas por edição e movimenta todos os setores da economia local por onde passa. Além das competições off road envolvendo carros, caminhões, motos, quadriciclos e UTVs. O evento também é bastante conhecido pelas Ações Sociais e Ambientais promovidas nos locais por onde a prova passa.

Devido às características desafiadoras das modalidades off road. A prática esportiva é tida como uma atividade de risco e por isso requer o uso de equipamentos de proteção. Estes equipamentos envolvem basicamente, capacetes, luvas e óculos de proteção; entretanto a gama de equipamentos pode variar bastante de acordo com o tipo de atividade off road praticada.

Se você vai praticar um rally de moto por exemplo, a roupa é um item básico e extremamente importante para sua segurança. É essencial optar por tecidos de qualidade e que ofereçam conforto durante a prática do esporte. A Lycra e o Poliéster são os melhores para a confecção das peças. Opte pelas costuras duplas ou até mesmo triplas, assim seu conjunto terá uma vida útil prolongada.

Tecnologia Dry (absorção e dessorção de suor), proteção UV e ação antibacteriana são diferenciais. Aposte em uma modelagem com vários recortes e enchimentos estratégicos. Quanto mais anatômica a roupa, maior o conforto. E se você pratica modalidades off road sobre quatro rodas não se engane pensando que a roupa não tem a mesma importância de quando a prática é realizada em motos.

Mesmo que os carros sejam mais fechados e “protegidos” as roupas continuam sendo igualmente importantes. Imagine que você precise descer para trocar um pneu, desatolar o carro ou passe por alguma outra situação de desgaste… É importante que a roupa seja confortável e ofereça proteção suficiente para evitar que você se machuque.

Igualmente importantes em qualquer modalidade off road são os calçados. Opte sempre por calçados leves, confortáveis e confeccionados em materiais resistentes. Solados antiderrapantes, sistemas de absorção e dessorção de suor, material impermeável e anti chamas. Opte pelos melhores calçados para uma experiência completa.

 

Competições off road: divisões do Rally dos Sertões

Nada mais justo do que falarmos mais sobre as peculiaridades da maior competição off road da América Latina já que ela é praticado aqui no nosso país, não é mesmo?! Vamos começar pela divisão do Rally dos Sertões em categorias e subcategorias.

  • Motos

Nesta categoria cada um dos pilotos podem levar dois motores reserva lacrados. Esses motores passam pela vistoria dos comissários técnicos e podem ser trocados em qualquer momento do rali. Dentro da categoria das motos temos a sub categoria Super Production. Com preparação livre, as motos protótipos e originais de fábrica podem ter motorização de 250 a 1300 cm³ de cilindrada. O mesmo chassi deve ser utilizado durante todo o rali, caso seja feita alguma alteração, o piloto é imediatamente desclassificado

Na subcategoria Production Aberta são aceitas motos originais de fábrica com até 700 cm³ de cilindrada. As motos desta categoria podem ter motores de dois ou quatro tempos e devem seguir as normas da Federação Internacional de Motociclismo (FIM). Pneus, rodas, bancos, tanque de combustível, escapamento, suspensões traseira e dianteira, transmissão secundária, guidão, caixa de ar, controle de marchas e freio podem sofrer alterações de modo a aumentar a competitividade, resistência e segurança.

Assim como na Super Production, na Production Aberta o chassi deve ser o mesmo durante todo o rali, mas pode receber reforço e a troca da embreagem. Sempre com a autorização dada pelo comissário técnico do Sertões. Manutenção, só a básica, como a regulagem de mistura de combustível no carburador, troca de pneus, raios, aros, lonas e pastilhas de freio, para-lamas e limpeza de filtros.

Partindo para a subcategoria Marathom encontramos as mesmas regras de manutenção da Production Aberta. As motos desta subcategoria possuem motores de 250 a 450 cm³ de cilindrada de dois e quatro tempos. Na Marathom entram também motos fabricadas no Brasil com até 700 cm³ de capacidade. A subcategoria Over 45 aceita motos nacionais ou importadas. Aqui os pilotos precisam ter no mínimo 45 anos de idade. O regulamento é o mesmo da Super Production.

A subcategoria 230 é exclusiva para as motos Honda CRF230 e a Self é destinada à participação de pilotos que disputam a prova sem auxílio mecânico.

  • Carros

 A categoria Carros está dividida em T1-FIA, Protótipo-T1, Pró Brasil, Super Production, Production-T2.

A subcategoria T1-FIA tem peso mínimo que varia entre 860 e 2.050 quilos e para as suspensões são proibidos os sistemas que permitem regulagem de flexibilidade e altura dos carros em movimento. O restante é livre. Carros com tração 4×4 devem utilizar rodas com no máximo 810 milímetros e nos veículos 4×2 a medida máxima é de 940 milímetros.

A subcategoria Protótipo-T1 permite modelos preparados ou protótipos com tração 4×4 ou 4×2, movidos a gasolina, etanol ou diesel. Os restritores de ar na admissão devem ser de 36 milímetros nos carros a gasolina, 38 nos modelos a etanol e 40 no caso do diesel ser o combustível. A Pró-Brasil deve usar motores de aspiração normal e que não precisam necessariamente ser da mesma marca do veículo. Os dispositivos de comando variável e os coletores de admissão devem ser originais do motor. Câmbio sequencial não é permitido.

A sub categoria Super Production exige carros fabricados no Brasil com peso mínimo que vai de 1.150 quilos para veículos de 1.600 cm³ de cilindrada até 2.050 quilos para modelos com mais de 5.250 cm³ de capacidade e todos devem seguir a regulamentação de segurança da FIA, à exceção dos extintores e tanque de combustível. Por fim, a sub categoria Production-T2, é  composta por carros de linha com pelo menos 1.000 unidades produzidas. Os veículos podem ser movidos a gasolina, etanol ou diesel, mas devem utilizar restritor de ar na admissão com 38 milímetros nos carros aspirados a gasolina ou etanol, 36 para turbo a gasolina ou etanol e 40 nos movidos a diesel.

  • Caminhões

 Divididos em leves e pesados. Os veículos desta categoria precisam ter tração em pelo menos dois eixos e devem utilizar como combustível o diesel vendido regularmente nos postos de combustíveis do Brasil. Aqui são apenas duas subcategorias: leve, para veículos pesando entre 3.500 e 4.800 quilos, com preparação livre; e pesado, para veículos com peso mínimo de 4.800 quilos, com preparação livre.

#Indicca – Geração de Conteúdo